Obras da SVMA são selecionadas para integrar guia de arquitetura para a Agenda 2030

0
8

O Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), selecionou três projetos da Secretaria do Verde e Meio Ambiente (SVMA), entre 81 inscritos, para compor o “Guia IAB para a Agenda 2030”. Os projetos foram escolhidos pois representam a arquitetura e urbanismo brasileiros e os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). O Guia IAB foi inspirado na publicação feita no ano de 2019 pela União Internacional dos Arquitetos (UIA), que coordenou o primeiro guia internacional com projetos arquitetônicos vinculados aos 17 ODS.

Ao todo foram selecionados 51 projetos/planos, que passaram por um longo processo de seleção durante 2020, para comporem o Guia. Os projetos brasileiros foram selecionados por uma Comissão editorial, composta por representantes de entidades de classe, setor privado e ONGs. A Coordenação da seleção ficou a cargo do arquiteto e urbanista Cid Blanco Jr., representante do IAB na Comissão da UIA de Acompanhamento dos ODS. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável lançados pelas Nação Unidas em 2015, servem como um guia e também como um compromisso que as nações assumem para melhorar as condições globais até o ano de 2030.

O sistema de tratamento de efluentes do Centro de Manejo e Conservação de Espécies (CeMaCas), é um dos três projetos escolhidos e representa o sexto objetivo de desenvolvimento sustentável da ONU, que aborda a questão sobre água potável e saneamento. O projeto, quando concluído, tem o objetivo de tratar os efluentes do hospital veterinário do CeMaCas, localizado na Unidade de Conservação Ambiental do Parque Anhanguera. Uma vez que essa área não possui uma rede pública de esgoto, foi necessário a construção de um sistema que tratasse os efluentes no próprio local de maneira sustentável, com o auxílio de plantas palustres, que se desenvolvem em solos encharcados.

A obra da Sede Administrativa do Parque Natural Fazenda do Carmo está relacionada com o 13º ODS, Ação Contra a Mudança Global do Clima. Sua estrutura visa contribuir com melhorias ambientais e sustentáveis, o esgoto é tratado por um sistema conhecido como wetland e um círculo de bananeiras, e as calhas compõem um sistema de captação das águas pluviais.  É utilizado também um sistema de painéis solares fotovoltaicos como fonte de energia limpa e os espaços interiores foram projetados para garantir uma maior ventilação transversal e um melhor aproveitamento da luz natural.

Assim como a Sede do Parque Natural Fazenda do Carmo, a obra do Parque Nair Belo se relaciona com o 13º objetivo da ODS, em condição de proteger as áreas verdes afim de preservar os elementos naturais e melhorar as condições climáticas. O projeto considera a preservação do remanescente florestal, o enriquecimento arbóreo com vegetação ameaçada de extinção e vegetação nativa, cria espaços de lazer e requalifica os espaços já existentes do bairro, privilegiando os visuais da área como um todo. O projeto de plantio foi concebido para enriquecer as áreas vegetadas com espécies nativas e ameaçadas de extinção.

Para mais informações e conhecer o restante dos projetos basta acessar o link:  https://www.iabsp.org.br/guia_iab_agenda_2030.pdf

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.