ECA 31 anos: as conquistas dos direitos infanto-juvenis

0
34

Só que o ECA, na realidade, foi o segundo passo, pois é uma lei que regulamentou os artigos 227 e seguintes da Constituição Federal, quando, pela primeira vez na história do Brasil, todos aqueles com menos de 18 anos passaram a ter direitos constitucionais, tornando-se cidadãos e pessoas com dignidade humana, dois dos cinco fundamentos da nossa República Federativa. 

Ao longo da história constitucional brasileira, crianças e adolescentes, em geral, estiveram à margem. Quando lembradas, ou era na regulamentação do seu trabalho ou exclusivamente na assistência social, com foco exclusivo naquelas em situação de pobreza e à margem social. 

Foi com a participação da sociedade, durante o processo constituinte, entre 1986 e 1988, que emendas populares foram propostas, os anseios sistematizados pela comissão constituinte, os parlamentares votaram pela aprovação e os direitos infanto-juvenis foram inseridos na Constituição, promulgada em outubro de 1988. 

Trata-se de um ensinamento do passado para o que vivemos hoje. O cidadão e a cidadã participaram diretamente do processo de construção de uma Carta Magna, elegeram os representantes que a aprovaram e, com isso, concederam a crianças e adolescentes algo tão básico e inerente a qualquer ser humano detentor de direitos, que ilustra a importância ainda maior da defesa da democracia brasileira e do Estado de Direito. 

No artigo 227 da Constituição, a família, a sociedade e o Estado, por ordem, foram convocados a assegurar a proteção integral a meninos e meninas, além de lhes garantir os mesmos direitos que já haviam sido dados aos adultos, mas até então a eles lhes eram negados, como o direito ao contraditório e à ampla defesa e, consequentemente, a igualdade perante à lei. 

O inciso IV do artigo é enfático ao afirmar a “garantia de pleno e formal conhecimento da atribuição de ato infracional, igualdade na relação processual e defesa técnica por profissional habilitado”, sendo sua regulamentação presente, principalmente, no ECA e, anos mais tarde, no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). 

Com isso, a doutrina da situação irregular do antigo Código de Menores, em que os adultos, por meio do sistema de Justiça – aqui representado pelos três poderes da República -, decidiam sobre o destino daqueles que não se “enquadravam”, foi substituído pela doutrina da proteção integral. 

A evolução legislativa separou o atendimento dos “carentes” e dos “delinquentes”, assim denominados na legislação anterior, nas fundações estaduais para o Bem-Estar do Menor. A Fundação CASA acompanhou a mudança e, três décadas mais tarde, observa que a aplicação da medida socioeducativa é responsabilidade de um sistema e da sociedade, não só do Poder Executivo. 

Hoje, nos 124 centros socioeducativos espalhadas por todo Estado de São Paulo, da nossa Fundação CASA, são atendidos 5.221 mil jovens, de ambos os sexos, e são referências para outros estados da Federação e até para outros países. Cumprindo integralmente o que está previsto no ECA e no Sinase, em todos os centros os adolescentes têm uma agenda multiprofissional que inclui atividades de escolarização formal, esporte, cultura, educação profissional, além do atendimento de psicólogos e assistentes sociais.  

Na Fundação CASA, os adolescentes têm atenção integral aos seus direitos enquanto cumprem a medida socioeducativa em regime fechado. O desafio e apoio que buscam está fora dos muros, em uma sociedade que deve acolher e oferecer ferramentas para se manterem no caminho do bem. 

Fernando José da Costa Secretário da Justiça e Cidadania, presidente da Fundação CASA e diretor do Instituto de Medicina Social e Criminologia de São Paulo (Imesc)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.