Pai com deficiência visual supera os desafios da paternidade

0
16

Os pais conhecem como é a expectativa para chegada de um bebê – os medos, a ansiedade, o receio e a curiosidade, os preparativos e os (muitos) palpites alheios. Com o especialista em tecnologia assistiva, Leonardo Ferreira, 33 anos, o turbilhão de emoções não foi diferente e veio somado a uma condição que resultou em uma experiência única na relação entre pai e filho: a deficiência visual.

Antes de conhecer sua esposa Camila Domingues, que também é cega e professora em uma escola pública em Francisco Morato (SP), Leonardo sofreu de uma doença congênita degenerativa que resultou na deficiência visual e até cegueira total. Natural de Carnaíba (PE) e morador de São Paulo, ele teve uma vida marcada por muitas lutas e conquistas, mas a maior delas foi a paternidade. “Sempre tive vontade de ser pai, tanto que logo depois que perguntei se a Camila gostaria de namorar comigo, já fui lançando a segunda questão: ‘você pretende ter filhos?’”, explica.

Quase seis anos depois de se conhecerem, Camila ficou grávida de Gustavo, o que foi algo totalmente esperado e programado. De acordo com Leonardo, antes do resultado positivo do teste de gravidez, ele já sabia que o bebê estava a caminho, mas junto com a confirmação e a felicidade por finalmente realizar esse nosso sonho, veio o medo e a insegurança. “Enquanto a criança é só um sonho, tudo é muito mais fácil, pois está na nossa cabeça, mas quando esse sonho está prestes a virar realidade e você começa a entrar em contato com as dificuldades práticas do dia a dia, tudo começa a ficar um pouco diferente”.

O consultor também conta que passou a buscar por informações sobre a relação entre a deficiência visual e a paternidade, além de participar de treinamentos e projetos assistenciais específicos para práticas de atividades da vida autônoma na Laramara. “A verdade é que – independentemente das dificuldades e da deficiência visual, ser pai é muito bom. Não existe preconceito, a criança só está interessada em ser amada, alimentada, cuidada e dormir no aconchego do colo de alguém que a ama. Mesmo com limitações físicas ou sensoriais, o carinho da criança e o aprendizado é diário”, finaliza.

Para Anderson Almeida, assistente social da Laramara – Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual, “pensar em constituir uma família e casar é o desejo de jovens e adultos com ou sem deficiência. Porém, para a sociedade entender, aceitar e respeitar este princípio da Dignidade da Pessoa Humana em relação às pessoas com deficiência, é preciso um trabalho constante para uma mudança de paradigma, na perspectiva do direito e da inclusão social.”

Em 8 de agosto, quando comemoramos o Dia dos Pais, histórias parecidas a de Leonardo Ferreira e Camila Domingues são comuns na Laramarae são fonte de inspiração para outras famílias. Para ajudar pais e mães com deficiência visual, a instituição conta com uma equipe multidisciplinar composta por assistentes sociais, psicólogos e professores, pedagogos e profissionais que oferecem atendimentos específicos de atividades de vida autônoma, entre outros.

Como apoiar os projetos assistenciais da Laramara:  Com a eclosão da COVID-19, a doação para programas da Laramara que asseguram o acesso ao atendimento especializado para mães e crianças com deficiência visual caíram drasticamente. Para minimizar os efeitos nocivos da crise econômica, a instituição busca o apoio da sociedade, das empresas e do Estado com a intenção de manter seus projetos assistenciais. 

Formas de ajudar: Imposto de Renda – Uma forma simples é a destinação de uma porcentagem, 1% para empresas e até 6% para pessoas físicas, do Imposto de Renda Devido. Quem estiver com o imposto para restituir também pode realizar doações pelo aplicativo do IR, dessa forma o contribuinte não tem nenhum custo extra.

Você também pode entrar em contato para conhecer os inúmeros projetos da Laramara para que a instituição continue atendendo centenas de pessoas mensalmente de forma gratuita ou, se preferir, pode acessar o site www.laramara.org.br/doe e fazer sua doação.

Laramara trouxe para o Brasil a fabricação da máquina braile e da bengala longa, indispensáveis para a educação e a autonomia da pessoa cega. Buscando a inclusão profissional de jovens, adultos e idosos com deficiência visual, ampliou seu projeto socioeducativo em 1996, realizando atendimento para essa população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.