Dia dos pais: quando o filho vira o professor

0
26

Dia dos pais: quando o filho vira o professor

Com o dia dos pais se aproximando a experiência de Ederson Buzatto mostra como um filho vê o pai “seu herói”, e como ao mesmo tempo eles ensinam o pai em seu amadurecimento de homem depois de se tornar pai!

Há cerca de três anos, o operador de máquinas Ederson Buzatto viveu o que ele descreve como “o dia mais estranho de sua vida”. Seu filho, Gabriel, na época com seis anos, foi diagnosticado com câncer e começava uma batalha contra a doença, que segundo o pai, é uma lição de vida e de amor dada pelo filho.

“O Gabriel começou a ter dor na perna esquerda. Se queixava muito, levamos ele ao hospital e nada. A dor passou. Até que uma semana depois do início da dor, eu estava fazendo uma massagem na outra perna dele e descobri um caroço. Como ele tinha uma consulta já agendada com a endocrinologista, ela mesma pediu o ultrassom. Fomos a um ortopedista depois e ele pediu uma ressonância”, lembra.

O resultado do ultrassom ficou pronto e a partir daí a vida da família mudou, que ainda conta com a filha Julia, que na época tinha 2 anos. “Era uma sexta-feira, quando minha esposa, Ivonete, levou o resultado na médica. Ela me ligou no trabalho, em outra cidade, e me pediu para ir ao hospital. Ali eu já sabia que algo estava errado. Chorei muito”, conta emocionado.

A médica explicou que o ultrassom revelou um tumor e encaminhou Gabriel ao Centro Infantil Boldrini. Contudo, era sexta-feira e o encaminhamento aconteceria só segunda. “Me lembro de ter sido um final de semana muito triste e de muito choro. Me desestabilizou. O nascimento do Gabriel foi o dia mais feliz da minha vida, mas aquele, o dia do diagnóstico, foi o pior”.

A chegada ao Boldrini

Ederson lembra que foi com a esposa e Gabriel ao Boldrini e que logo o primeiro tratamento começou. “Sessões de quimioterapia, radioterapia e uma possível cirurgia, que hoje sabemos que seria a amputação. Na época a dor já estava nas duas pernas. Me lembro de estar chorando muito e uma mãe de paciente vir me consolar, me confortar. É isso que acontece no Boldrini”, recorda.

O pai sempre fez questão de estar ao lado do filho. Conta orgulhoso que antes da doença levou Gabriel para fazer karatê e ao acompanhar as aulas, decidiu se matricular também. “Somos muito parceiros. Sempre fiz questão de estar junto a ele no tratamento. Ficar com ele nas internações à noite para ir trabalhar em Nova Odessa durante o dia. Vejo que isso não é muito comum. Normalmente são mães e avós que acompanham os filhos. Estar ao lado dele me dava forças”, explica.

A cumplicidade entre pai e filho é explícita. “No começo, ele tinha medo da injeção, de tirar sangue para os exames e eu estava lá ao lado dele, muitas vezes tendo que segurá-lo. Quando o cabelo dele começou a cair, fizemos um trato. Ele raspou a minha cabeça e eu, a dele. Queria mostrar que estava tudo bem”, recorda.

E foi a luta de Gabriel que incentivou Ederson nos momentos mais difíceis. “A primeira rodada do tratamento foram seis meses de quimio. Depois descobrimos que a metástase havia se espalhado por outros órgãos. E ele mudou o protocolo de atendimento. Hoje, o Gabriel está no terceiro tratamento, sem interrupções. Mas não perdemos a fé. Quando tudo começa, você tem uma sensação de impotência muito grande. Você nunca imagina que isso pode ou vai acontecer com o seu filho. Mas o pedido de pai e mãe para Deus tem valor e gente se apega nisso”.

A rotina dos tratamentos no hospital Boldrini, segundo o pai, está sendo um ensinamento. “A gente desenvolve relação, amizade mesmo, com outros pais. Eu sempre me lembro daquela mãe que me confortou logo que chegamos ao Boldrini e busco fazer o mesmo com os novos pais. A gente conversa, dá força, faz amizade. O Gabriel também fez amigos. Um deles é o Arthur. Eles se encontram sempre. Até mesmo quando não é dia de um tomar quimio o outro pede para ir para estar junto. Com isso, nós, os pais, viramos amigos também. São histórias bonitas que se constroem lá”, conta.

Enfrentando a doença pela terceira vez, Gabriel não desanima e não deixa os pais desanimarem. “Foi um aprendizado para todos nós. Mas, com certeza, os papéis se inverteram e ele me ensina muito mais sobre a vida do que eu a ele. Eu sinto muito quando não posso estar fisicamente com ele todos os dias no hospital, mas sei que ele sabe que estou ao lado dele. Ele é um garoto muito mais forte do que eu. Ele me ensina todos os dias. O maior desejo de Dia dos Pais só pode ser um, ter ele bem conosco”, finaliza.

www.boldrini.org.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.