Apesar da crise econômica, consumidor brasileiro mantém esperança de futuro melhor

0
51

Índice Nacional de Confiança (INC), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), mede o humor dos brasileiros sobre o consumo

Mesmo com clima de instabilidade econômica no Brasil, provocado pela alta dos preços dos produtos e dos juros e perda do poder aquisitivo da população, o Índice Nacional de Confiança (INC), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), manteve-se estável em relação a fevereiro e com leve tendência de crescimento. O indicador da entidade, elaborado pela Pinion, marcou, em março, 89 pontos, o mesmo número do último mês, mas com pequena curva ascendente herdada de período anteriores.
 

A explicação está no aumento da mobilidade urbana em todo o País, por conta da diminuição das medidas restritivas, e na esperança de tempos melhores para os próximos meses.
 

“As pessoas estão projetando um cenário menos pessimista para o futuro; não é uma percepção do presente, por isso que existe esta tendência de crescimento da confiança”, disse Marcel Solimeo, economista da ACSP. “Daqui seis meses, por exemplo, talvez a pandemia já seja uma endemia; é possível que as mortes causadas pelo coronavírus possam ficar mais raras e, por conta do retorno à vida que se tinha antes da Covid-19, que as vagas de emprego no Brasil também aumentem”, emendou.
 

A pesquisa é medida de 0 a 200 pontos e afere a percepção da população sobre sua condição financeira atual e as expectativas em relação à situação futura, afetando o comportamento destas pessoas na hora da compra.
 

Os 89 pontos registrados em março melhoram a percepção do brasileiro em relação à economia, mas ainda é um índice pessimista já que está abaixo dos 100. Em janeiro de 2020, o INC, que registrou na época 100 pontos, foi o último mês que o indicador não esteva no campo cauteloso. Apesar disso, o Índice deste mês, comparado a março de 2021, apresentou aumento de 12,6%.
 

A tendência crescente foi mantida em, praticamente, todas as regiões do País, principalmente no caso do Norte. O mesmo comportamento se observa em quase todas as classes sociais, excetuando a classe DE, mais afetada pelo elevado desemprego, que apresentou tendência decrescente nos últimos três meses.
 

Em geral, persiste a percepção negativa das famílias em relação à sua situação financeira e de emprego atuais, enquanto melhoraram as expectativas futuras sobre essas variáveis.

Essa percepção negativa se reflete na menor disposição a adquirir itens de maior valor, como carro, casa e bens duráveis, tais como geladeira e fogão, apesar do aumento verificado na propensão a investir no futuro.
 

Foram ouvidas 1.685 pessoas nas cinco regiões do Brasil para a pesquisa INC que tem margem de erro de 3% para mais ou para menos, em um intervalo de confiança de 95%

Índice de Confiança do Consumidor Paulista (ICCP) — Recorte do indicador nacional de confiança, o Índice de Confiança Paulista (ICCP) também se manteve estável em março. Neste ano, o indicador registrou 87, 86 e 87 pontos, respectivamente, em janeiro, fevereiro e, agora, em março.
 

É o mesmo comportamento do índice nacional, mostrando, contudo, leve melhora de 1,2%, em relação a fevereiro, e aumento mais intenso em relação ao mesmo mês do ano passado (19,2%).
 

Os pesquisadores ouviram 896 pessoas na capital, região metropolitana, litoral e interior do Estado. A margem de erro é de 4% para mais ou para menos num intervalo de confiança de 95%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.