13/11/2018

A Editora Mídia Kit Edição Digital Fale Conosco

13/11/2018



O Sesc e a USP realizam a 2ª edição do Museu do Ipiranga em Festa

Publicado em 05/09/2018

Realizada pelo Sesc e pela USP, a 2ª edição do Museu do Ipiranga em Festa acontece dias 7 e 8 de setembro (sexta e sábado) no Parque da Independência. Ao celebrar os 196 anos da Independência do

 

 

Realizada pelo Sesc e pela USP, a 2ª edição do Museu do Ipiranga em Festa acontece dias 7 e 8 de setembro (sexta e sábado) no Parque da Independência. Ao celebrar os 196 anos da Independência do Brasil, o evento aprofunda seu teor histórico e político por meio de intensa programação cultural gratuita para todas as idades, com apresentações de dança, teatro, música, cortejos, performances cênicas, poesia, exposição e projeção mapeada na fachada do Museu.

 

Nesta edição, o trabalho de curadoria questiona os significados da Independência nos dias de hoje ao lançar um olhar crítico sobre três marcos históricos: 1822 (Independência do Brasil), 1922 (Centenário da Independência e efervescência intelectual em São Paulo com a Semana de Arte Moderna) e 2022 (Bicentenário da Independência e reabertura do Museu do Ipiranga). O primeiro eixo (1822) aborda o século da independência e da abolição da escravatura enquanto ideia e apagamento de uma nação; o segundo (1922) explora a produção cultural do século XX e a ideia de uma renascença paulista; finalmente, o terceiro (2022) representa o futuro nos corpos e vozes da juventude.

 

A parceria entre a Universidade de São Paulo e o Sesc tem se fortalecido por meio da realização de ações conjuntas e a maior parte delas gratuitas, como a ocupação do Museu Paulista com programações artísticas e culturais realizadas pelo Sesc e a utilização dos espaços expositivos do Sesc Ipiranga com parte do acervo do Museu.

 

Programação aberta e gratuita para todas as idades

 

Destinada a pessoas de todas as idades, a programação do Museu do Ipiranga em Festa acontece em diversos pontos do complexo que compreende o Museu do Ipiranga, a Casa do Grito, a Praça Cívica, o Monumento à Independência, jardim e o riacho do Ipiranga, estimulando que o público ocupe e se aproprie deste espaço de grande valor histórico e cultural de nossa cidade.

 

Os destaques do dia 7 incluem o cortejo Akotirenes Yibi das Mulheres Quilombolas com 45 integrantes do grupo Ilú Obá de Min, que apresenta a história das mulheres quilombolas (17h, da esplanada até o Monumento), a intervenção do Grupo Galpão que trata da alteridade (14h, na esplanada e alameda oeste), além da inauguração da exposição Estamos aqui (10h, em frente ao Museu) e das apresentações do Grupo de Sopros da Orquestra Petrobras Sinfônica (11h, na esplanada) e da OSUSP e Coral USP (18h, no Monumento).

 

Já no dia 8, a programação segue com as cabines de histórias Meu Museu do Ipiranga (10h às 18h, no mezanino próximo à entrada da Av. Nazareth), o cortejo com 45 integrantes do Terno Moçambique Estrela Guia, com ritmos e danças que representam a cultura afro-brasileira no congado mineiro, ligados à ancestralidade africana com origem em Moçambique e Gana (17h, da esplanada até a entrada Patriotas), e o sarau lítero-musical do Grupo Galpão De Tempo Somos, dirigido por Lydia Del Picchia e Simone Ordones, que reúne 25 canções de espetáculos do grupo, desde a década de 1980 até trabalhos mais recentes (18h, na Praça Cívica).

Nos dias 7 e 8, as atividades são encerradas com três sessões de projeção mapeada na fachada do Museu (às 19h, 19h20 e 19h40), que tem a criação do VJ Alexis Anastasiou (Visualfarm) e a curadoria da artista visual Giselle Beiguelman. A projeção mapeada será realizada também no dia 9, domingo, nos mesmos horários.


Cultura popular com jongo, cordel e maracatu integram a programação

 

Em ambos os dias, os Guaranis Mbya apresentam a Roda Xondaro, uma roda de dança de guerreiro realizada em preparação para a caça e para enfrentar o inimigo (14h, na entrada Patriotas). Já o grupo de dança Zumb.Boys traz a intervenção Mané Boneco, criada a partir do brinquedo “mané gostoso” e que ativa o imaginário infantil e a memória afetiva por meio de uma dança de giros ao som de poesia de cordel (15h, na esplanada). A Comunidade Jongo do Tamandaré, por sua vez, apresenta uma Roda de Jongo Tradicional em que o público conhece os instrumentos, o formato da dança e a origem do jongo, e é convidado a fazer parte da roda (16h, na entrada Patriotas).

 

Em diversos horários e locais, o Grupo Zabelê de Cultura Popular realiza o Cortejo de Maracatu de Baque Virado, de origem pernambucana, entremeado com paradas para rodas de Cacuriá, Ciranda e Coco. Há também a intervenção itinerante Poesia Refúgio e apresentações da peça Intervenção XIX – Figuras e imagens entre séculos e jardins, do Grupo XIX, além do Cortejo Paulo Freire, da Cia do Tijolo, e das performances Apagamento, com direção de José Fernando Azevedo, e a performance cênica Outras Margens, que tem a direção de Vany Alves e Paula Souza e conta com a participação de idosas e idosos da oficina Jogos Teatrais, realizada no Sesc Ipiranga.

 

O evento Museu do Ipiranga em Festa é uma realização Sesc e USP, com apoio institucional do Instituto Bandeirantes e Prefeitura de São Paulo. Patrocínio de Santander, Petrobras, IRB - Instituto de Resseguros do Brasil e Governo Federal. Parceria OSUSP, Coral USP, FUSP.

 

 

Sobre o restauro do Museu do Ipiranga

O Edifício do Museu Paulista, inaugurado em 7 de setembro de 1895, foi projetado por Tommaso Gaudenzio Bezzi e é tombado pelos órgãos de patrimônio nas instâncias municipal, estadual e federal. O correr do tempo provocou desgastes naturais na edificação resultando em laudos diagnósticos que impeliram à decisão de fechá-lo para visitação pública em agosto de 2013, quando iniciou-se o desenvolvimento de um projeto integral para sua renovação.  Na primeira edição do Museu do Ipiranga em Festa, em 2017, a USP lançou o concurso arquitetônico para o projeto de restauração e renovação do Edifício-Monumento, e desde maio de 2018 o escritório vencedor está desenvolvendo o projeto executivo, a ser finalizado no início de 2019, quando terão início as intervenções físicas no local. Além do restauro deste patrimônio histórico, estão previstas ações para sua modernização, adequando o Edifício em termos de acessibilidade, segurança e aplicações tecnológicas.

 

Foto: Rafaela Queiroz

 

 

FECHAR

 
Publicidade