Editora Juma

14/08/2018

A Editora Mídia Kit Edição Digital Fale Conosco

14/08/2018



Autorizada entrada de SP em pacto interestadual de Segurança Pública

Publicado em 22/04/2018

O governador Márcio França assinou no dia 10 de abril acordo de cooperação para que São Paulo passe a integrar o Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual. Em sua primeira agenda ofi

 
 O governador Márcio França assinou no dia 10 de abril acordo de cooperação para que São Paulo passe a integrar o Pacto Integrador de Segurança Pública Interestadual. Em sua primeira agenda oficial sobre o tema, França participou da Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa (LAAD Security), onde também se reuniu com o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.
O Pacto Integrador de Segurança Pública é um acordo de cooperação entre a União, Distrito Federal e os Estados do Acre, Alagoas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Tocantins e, agora, São Paulo para união de esforços no combate ao crime. “A criminalidade não tem fronteiras”, afirmou o governador, ao tratar da importância dessa integração.
França ressaltou que uma das ferramentas cujos dados São Paulo poderá compartilhar é o Detecta, sistema de monitoramento da criminalidade da Secretaria da Segurança Pública paulista que constitui hoje o maior banco de dados da América Latina.
O documento prevê atuação conjunta dos signatários em operações policiais e a integração do serviço de Inteligência de seus órgãos de Segurança Pública. O pacto se divide em três grandes áreas: estratégica, tática e operacional. “O pacto elimina a necessidade de convênios com outros Estados cada vez que é preciso colaboração para solução de crimes. Ou seja, eliminamos a morosidade”, explicou.
A estrutura permite que representantes de todos os Estados façam parte dos comitês e subcomitês, executando as ações de forma compartilhada. Dessa maneira as forças policiais conseguem atuar além das fronteiras de seus Estados, de forma a combater o tráfico de drogas e de armas, o roubo de veículos e de cargas e os assaltos a instituições financeiras.
 

FECHAR

 
Publicidade